Escrever por antecipação não é jornalismo

Reproduzo, com a devida vénia, o interessante trabalho de João Tomé sobre o texto da primeira página  do Público de ontem, a propósito do concerto (?) de Amy Winehouse.

Convido os leitores a seguirem os argumentos do João.

Gostaria de ouvir/ler o que é que o jornalista do Público diz deste caso (via provedor?), mas uma coisa é certa, tenha ou não acontecido com este caso: escrever por antecipação não é jornalismo (nenhum jornalista deveria impor a outro tal coisa nem nenhum jornalista deveria aceitar tamanha encomenda).